Briefing Baja SAE BRASIL 2021

Área para discussões livres e/ou que não se enquadrem nas outras seções.
Lucas13ra
Chefe de Pontuação e Comunicação
Mensagens: 328
Registrado em: Seg Jan 22, 2018 10:02 pm
Escola:
Equipe:

Briefing Baja SAE BRASIL 2021

Mensagem por Lucas13ra » Dom Out 03, 2021 3:10 pm

Boa tarde,

A pedido das equipes que participaram, estaremos disponibilizando neste tópico do fórum os temas abordados por cada uma.

Obs: Já estão a seguir a participação dos dias 08/09, 09/09 e 10/09. Durante os próximos dias será adicionado as participações dos dias 11 e 12/09

Atenciosamente,

Comitê Baja SAE BRASIL

Lucas13ra
Chefe de Pontuação e Comunicação
Mensagens: 328
Registrado em: Seg Jan 22, 2018 10:02 pm
Escola:
Equipe:

Re: Briefing Baja SAE BRASIL 2021

Mensagem por Lucas13ra » Dom Out 03, 2021 3:11 pm

Participações do dia 08/09/21

Baja de Galpão - UNISC/RS

A equipe disse que não foi tão impactada pela pandemia. A universidade fechou durante 2 semanas e o acesso foi retomado após esse período com restrição de membros. Citaram que construíram um carro novo durante a pandemia. Desenvolveram o projeto do 4x4 com foco na Competição Internacional.
Cita como um ponto crítico a proximidade da Competição Nacional e da Competição Internacional, visto que planejam ir com o mesmo carro em ambas as competições e necessitam de pelo menos 1 mês para o envio do carro. Pede uma oficialização via informativos dos classificados à Competição Internacional, assim como a oficialização das informações por meio de informativos.
Cita que possui dúvidas sobre a documentação para a Competição Internacional e pede mais apoio da SAE BRASIL e do próprio comitê para as atividades relacionadas à Competição Internacional.
Outra dúvida foi sobre a aplicação do 4x4 nas próximas competições, visto que a próxima Competição Nacional classifica para uma competição onde o 4x4 será obrigatório (Competições Internacionais 2023)

BajaGual / RS

Citou como pontos mais críticos a faculdade fechada até uma semana antes e o Campus muito pequeno, o que gera pouco contato com as pessoas, gerando uma dificuldade de recrutamento de membros.
Atualmente possui um membro para cada área.
Possui dificuldades financeiras e dificuldades com patrocínios.
Pediu a informação de quando seria a próxima Competição Regional, para a equipe se organizar quanto ao fluxo de atividades e fluxo financeiro.
Durante a pandemia, focou na parte de projeto, restando agora colocar o que foi desenvolvido em prática.
Questionada sobre os motivos da equipe participar mais de competições regionais que nacionais, a equipe cita a dificuldade logística e a necessidade de um aporte financeiro, visto que a equipe não tem muito apoio financeiro da faculdade.
Como dúvidas principais tem a data da próxima regional e o dilema, se já parte para um veículo 4x4 ou se continua com o 4x2.

Equipe Capibaja / PR

Citou que a pandemia causou um atraso no projeto. A equipe finalizou o projeto e iniciou a construção, mas a montagem está com atrasos, principalmente relacionado a manufatura, visto que empresas parceiras da região estão sobrecarregadas. A equipe segue com as atividades, mas em ritmo mais lento.
Uma dificuldade citada foi com o fornecimento de equipamentos de segurança, com dificuldade de encontrar itens como o cinto de segurança e preços excessivos. Sugeriu ao comitê uma discussão sobre a validade desses itens.
A equipe perguntou sobre como serão os protocolos da próxima competição, obtendo como resposta que haverá a divulgação com um período de antecedência.
Como preocupação citou a variação das datas das competições ocorridas devido a pandemia e a possibilidade de haver novas alterações e questionou quando será a próxima competição regional.

Equipe Imperador UTFPR / PR

A equipe citou que eles não sofreram tanto assim com a pandemia. Teve um acesso complicado à universidade e convive com limitações de pessoas até hoje, o que complica a fabricação e os testes.
Cita como grande problema a motivação de membros.
Cita que a equipe é impactada diretamente com medidas tomadas pela cidade de Curitiba sobre a pandemia, como o lockdown ocorrido.
Outra dificuldade citada é com a parte financeira.

Equipe Serbaja / SE

A equipe citou que houve um pedido para a universidade para a volta às atividades em outubro de 2020, não tendo uma resposta breve. Isso gerou uma crise de motivação nos membros. O desenvolvimento do 4x4 e o andamento do processo seletivo funcionam como itens de motivação da equipe.
Não possui acesso a oficina ainda.
Sofreu com a saída de membros, principalmente membros antigos com conhecimento de oficina. Como os novos membros não possuem conhecimento de oficina, imaginam que as montagens serão mais demoradas.
Assim como as outras equipes, cobraram a questão de datas das próximas competições.
Possui o projeto pronto e algumas peças de fabricação externa sendo fabricadas, restando a validação desses itens.
Realiza um programa de Projeto Mirim dentro da equipe, onde projetos antigos são refeitos para o treinamento dos integrantes.
Sobre a estrutura, irá fabricar uma estrutura nova e planeja para início da fabricação no mês de abril.

Equipe Zabumbaja / PE

Como grande dificuldade cita o acesso à oficina que a equipe não possui desde março de 2020. Citam que a equipe possui o carro que disputou a última regional (2019), mas não tem acesso a ele. Esse veículo será referência de projeto.
Com o tempo, a motivação foi caindo, atividades foram parando e membros antigos foram se formando e saindo. Além da desmotivação de membros.
Como dificuldades citam a divisão de tarefas e o recrutamento de novos membros.
Desenvolveram a apresentação de projeto até o fim do primeiro semestre de 2020, mas essa atividade foi interrompida com o avanço da pandemia.
Hoje a equipe possui 12 pessoas. Citaram que a equipe chegou a ter 29 membros.
Citaram a dificuldade de se conseguir patrocínio, devido a equipe ter poucos membros e a equipe ser muito nova.
Cita a saída de membros com conhecimento e o andamento das atividades a passos lentos. Prevêem dificuldades na montagem, na utilização de equipamentos e na manufatura, além da dificuldade de fabricar peças fora pelo baixo orçamento.
Cita que como o Campus é muito afastado da capital do estado, se torna difícil o encontro entre os membros e eleva o gasto para eles.
O objetivo da equipe é melhorar o projeto atual.
Questionada sobre as participações nas Nacionais, a equipe cita que o valor da inscrição e o curto prazo de pagamento dificulta para as equipes iniciantes.
Como itens que podem iniciar as equipes iniciantes citam palestras e o contato com equipes próximas.

FAESA BAJA Guaiamu / ES

Como a equipe foi a última a participar no dia, citou que não havia pontos a somar

Goyá Baja / GO

A equipe citou que a competição não é muito difundida na região.
É uma equipe nova, surgiu em 2019 e se preparou para competir em 2020, na competição Nacional. Como a região tem pouco apoio, a pandemia “veio como uma faca” para a equipe.
A equipe hoje não tem acesso ao laboratório.
Tem dificuldade com mão de obra, pois os alunos que conseguem estágio saem da equipe, fazendo com que a evasão de membros seja elevada.
Por não ter outras equipes na região, levantar apoios é mais complicado, o que torna o orçamento da equipe curto.
Hoje a principal fonte de renda da equipe, que é a venda de rifas, não tem como serem feitas.
A equipe trabalha em um novo projeto e aguarda o acesso à oficina para continuar o projeto.
Tenta fazer a gestão de conhecimento com os membros novos, mas tem dificuldades com a motivação com o trabalho remoto.
Questionada sobre o porquê de existirem poucas equipes no Centro Oeste brasileiro, a equipe citou a falta de conhecimento sobre o que é o baja de faculdades da região. As regionais serem distantes dificulta a participação das equipes da região. Sobre isso ainda, a equipe elogia a regional Sul, por circular em diversas cidades.

Gralha Azul / PR

Em 2020 a equipe cita que não teve muito acesso a universidade, focando nos trabalhos com o projeto. Apesar de já ter o acesso a universidade optou por não iniciar as atividades de construção devido ao acesso parcial de membros, o que dificultaria o andamento das atividades.
A partir de 2021 com o acesso ao laboratório, seguiu com a construção que atualmente está em fase final.
Tem dificuldade de acessar laboratórios específicos na universidade pela falta da presença de professores, e não possui recursos suficientes para a fabricação dessas peças em empresas externas.
Teve uma evasão de membros, mas de forma controlada. Realizou processos seletivos semestrais no período.
Possui um patrocínio específico de uma empresa de caminhões e desenvolveu o projeto baseado na peça que seria fornecida. Hoje não sabe se irá receber a peça.
Não irá participar da competição regional em 2021 para focar na Nacional 2022.

Pato Baja / PR

A equipe cita como o maior empecilho o atraso no cronograma para a fabricação do veículo na faculdade, pela dificuldade dos membros estarem presentes. Tem uma mão de obra menor pois muitos membros são de outras cidades, não estando na cidade para o comparecimento no laboratório.
A equipe cita que não sabe se o veículo estará disponível para a confecção do relatório.

Procobaja / PR

A equipe sofreu com a evasão de membros com muita experiência em manufatura.
Durante a pandemia, houve um grande trabalho em projeto e planejam começar a construção no mês de outubro.
A equipe pede para ser informado o quanto antes a data da entrega do relatório para a equipe se programar. Outra informação que eles pedem para ser confirmado com antecedência é o local da competição.
A equipe citou que lidou bem com os novos membros, processo seletivo e com a gestão de conhecimento, sendo que a maior perda mapeada foi em conhecimento em manufatura.
Sobre o relatório, a equipe pede que não seja cobrada a validação, assim como foram nas regionais.

Sama Baja / ES

Como dificuldades, a equipe cita o acesso à faculdade, realizado desde outubro, mas com limitações. Entre elas está o acesso de 3 membros simultaneamente em 3 dias da semana. Com isso, houve atraso na fabricação.
Houve a evasão de membros antigos, por motivo de formaturas ou pessoas que trancaram o curso ou mudaram de curso. Com isso a equipe está com muitos membros novos.
Apesar de um desenvolvimento no marketing, a adesão ao processo seletivo não atingiu o número esperado. Isso está muito relacionado ao desânimo referente a falta de contato com o projeto.
A faculdade apoia na compra de componentes para o projeto.
A equipe planeja utilizar o chassi anterior e faz toda a programação baseada nisso.

UDESC Velociraptor Baja / SC

Não teve muito problema de acesso à oficina após o retorno às atividades no início deste ano.
O andamento das atividades de projeto e da construção do chassi estão conforme planejado. A dificuldade ocorre na compra de componentes específicos por falta de dinheiro, dificuldade de entrega de fretes e dificuldades com empresas de usinagem. Não possui apoio da universidade nesse sentido.
Não há local de testes na universidade e evita testes externos por estes gerarem aglomerações.
A principal forma de renda é o pagamento de mensalidades por membros.
Houve dificuldades no ano de 2020 devido ele ter sido inteiramente online. E pela universidade estar adotando o ensino remoto, há a dificuldade com membros que não moram na cidade.
A competição online gerou um desgaste interno dos membros da equipe, resultando em uma alta evasão de membros. Hoje a equipe possui 10 membros, sendo 7 membros novos.Houve a renovação da associação dos membros para a competição online e 17 das 20 pessoas que estão associadas saíram da equipe, o que gerou um prejuízo financeiro à equipe. Com isso, a equipe não sabe quando seria o melhor momento para renovar para a próxima competição.
A equipe perguntou sobre quando será realizada a próxima competição regional que já está paga.
Como a equipe está com poucos membros, não há pessoas suficientes para desenvolverem o projeto 4x4.

UnBaja / DF

Citou que a situação da equipe é um se assemelha com o que as outras equipes falaram. Possui também problema de motivação. Apesar disso ainda possui um efetivo considerável de 23 membros, além da continuidade de membros antigos. Os processos seletivos continuam, mas com baixa adesão. Um problema que se aproxima é a formatura dos membros mais antigos, junto com a dificuldade de passar conhecimento a membros novos.
O acesso a universidade hoje é limitado a 4 pessoas trabalhando mantendo o distanciamento.
Durante a pandemia trabalhou muito na parte teórica e está com o projeto praticamente pronto, mas a fabricação está parada.
O planejamento da equipe se baseia na competição nacional. Tem tempo pra trabalhar na fabricação mas por falta de insumos hoje planeja a fabricação mais próxima do final do ano. Também possui a dificuldade de encontrar os equipamentos de segurança para comprar.
Planeja voltar às atividades presenciais, mas não ainda com a fabricação e sim com o contato com o veículo. Planeja trabalhar também com a motivação dos membros.

Vitória Baja / ES

No período de um ano de distância, focou em projetos e na consolidação de conhecimentos.
Desde junho possui acesso à oficina, mas com duas pessoas por vez. Com isso o trabalho atual se concentra em pequenas coisas, e não em grandes atividades.
Questionou a previsão da cobrança do 4x4, da liberação da nova ementa do regulamento e da revisão do informativo da validade da gaiola. Outra questão levantada foi se haveria a possibilidade da avaliação das equipes de forma diferente devido ao acesso desigual às oficinas. Esta possibilidade foi refutada pelo comitê devido ao risco de perda de qualidade e segurança da competição.
Outra preocupação é quanto ao motor série 20, pois há a dificuldade inclusive de equipes estrangeiras na compra deste motor. Perguntou sobre o uso do tanque de combustível que já é permitido em competições internacionais.
Sugeriu a replicação desse momento de contato entre comitê e equipes em outrso momentos chave.

Lucas13ra
Chefe de Pontuação e Comunicação
Mensagens: 328
Registrado em: Seg Jan 22, 2018 10:02 pm
Escola:
Equipe:

Re: Briefing Baja SAE BRASIL 2021

Mensagem por Lucas13ra » Dom Out 03, 2021 3:12 pm

Participações do dia 09/09/21

Baajatinga / BA

A equipe citou que 70% da equipe não mora na região da universidade. Além disso, o acesso à oficina é limitado.
Financeiramente, ela aposta na competição regional, independente da realização da Competição Nacional no primeiro semestre. Com o dinheiro em caixa pretende construir a estrutura.
Citou que o período EAD não limitou a evolução da equipe, fazendo que o desenvolvimento do projeto esteja dentro do planejamento.
Como questão, perguntou se a inscrição já paga na regional garante a vaga na próxima competição regional.

Baja UFMG / MG

A equipe citou que sua situação é preocupante. Não possui acesso a oficina, apenas acesso de 2 membros por vez durante 6 dias a cada 14 dias. Essa realidade está presente desde dois meses atrás. E essa restrição impede a equipe de desenvolver o que foi projetado.
Houve uma grande evasão de membros desde maio e hoje apenas 5 membros já estiveram na oficina. Com isso, membros novos estão se desmotivando
Um grande desafio citado é a transferência de conhecimento, não só de projeto, mas também de fabricação, competição e vivência.
A universidade vai iniciar o sistema híbrido, mas cada curso define como será. A escola de engenharia não determinou ainda.
A equipe terá que construir um novo chassi visto que o atual já possui mais de 2 anos. Houve um grande desenvolvimento no projeto.
A equipe sugere que a divulgação de informativos com indícios de competição são ferramentas fortes para negociar o acesso.

Buffalo Baja / MG

Ausente

Cefast Baja / MG

A equipe cita como maior dificuldade a saída de membros. Hoje apenas 3 membros são de antes da pandemia. Além disso houve uma perda de interesse com o funcionamento remoto
Um mês e meio atrás a equipe retomou o acesso à oficina. Logo, apenas agora os membros possuem o contato com o carro. Mesmo assim, o acesso é limitado a 6 pessoas.
Como grande desafio, a equipe cita o recrutamento de novos membros. Alguns membros que entraram na equipe durante a pandemia já saíram. Além disso, os membros residentes em outras cidades possuem uma menor frequência na oficina. Com isso é difícil passar o conhecimento prática à frente. Os membros atuais ainda estão aprendendo a montar o carro. Os laboratórios da universidade não estão liberados.
A equipe cita que a divulgação do informativo sobre a validade do chassi seria muito importante.

Corsários Baja / MG

Primeiramente a equipe cita a dificuldade de haver membros de outras cidades na equipe. Além disso, possuem um acesso limitado à oficina, apenas 4 pessoas por vez no período da tarde.
A equipe teve um elevado índice de evasão e cita que hoje possui pouco conhecimento prático. Membros remanescentes não são de Juiz de Fora (cidade da equipe). Somado a isso, há a falta de engajamento.
Outra dificuldade é o baixo número de inscrições nos processos seletivos, devido a baixa exposição do projeto pela instituição no período de pandemia.
Atualmente possui um carro que competiu apenas uma competição e aguarda o informativo sobre a validade do chassi.
A equipe não está inscrita na Competição Nacional mas aguarda posição da SAE sobre o prazo de inscrição, do Comitê sobre a validade da gaiola e da instituição se haverá apoio ou não. Sugere ainda que a inscrição se estenda até após a divulgação da emenda.

EESC USP / MG

Como principais dificuldades pode se citar a não liberação de verbas pela faculdade somado ao encarecimento de insumos.
Hoje possuem o chassi de 2020 e aguarda posição da SAE sobre a validade da gaiola.
Hoje estão um pouco perdidos pela não confirmação das datas da competição, se iniciam ou não a confecção de peças. Além disso, o preço é um complicador.
Houve uma desmotivação dos membros pelo pouco acesso à oficina.
Atualmente os chefes dos subsistemas não participaram da competição ou nunca foram à oficina. Isso gera um receio de não saberem lidar com isso.
A volta à oficina aconteceu um mês atrás, com um número limitado de pessoas. Com isso conseguem mexer pouco no carro. Apenas manutenções.
A equipe possui uma dúvida sobre se o 4x4 já será obrigatório ou se haverá bonificação na próxima competição.

Equipe Baja Unileste / MG

Segundo a equipe, 2020 foi um ano perdido devido a uma troca muito grande na equipe. Quem conhecia o carro saiu e os membros que permaneceram foram apenas das áreas administrativas. Houve também a perda de membros antigos e membros que entraram durante a pandemia também saindo pela desmotivação de não poder mexer no carro. Apesar do retorno gradual, há uma certa dificuldade com membros que trabalham fora.
Citaram também que para eles, abril é um prazo muito curto para ir à competição.
Hoje a equipe conseguiu um apoio maior da universidade, pois no ano de 2020 sofreram com a mudança tanto do orientador como do coordenador da engenharia.
Hoje possuem o carro da regional de 2019 e tem dificuldades em conseguir recursos, além de pouco apoio financeiro da faculdade.
O planejamento das atividades está comprometido devido a falta de experiência dos membros atuais e a extrema dependência dos ex-membros, e, apesar de terem um cronograma, não conseguem segui-lo.
Foi questionado sobre a validade do chassi e sobre o motor, pois obtiveram uma informação não oficial de que a Briggs não está produzindo mais.
Hoje o carro atual possui uma falha na caixa de redução. Ele foi montado para desenvolver o conhecimento da equipe e para o levantamento do que precisa ser feito, mas esbarra nos problemas financeiros.
Pergunta também sobre o prazo de inscrição, se será prorrogado.

Equipe Cerrado Baja / MG

A equipe cita que vive um cenário caótico, apresentando um misto de todos os problemas já apresentados, sendo que o maior é a captação de recursos. A universidade não oferece apoio financeiro e os patrocinadores saíram por dificuldades financeiras ou pelo carro não estar rodando.
A oficina está funcionando apenas em horário comercial e com no máximo 3 membros por vez.
Muitos membros voltaram para a casa dos pais em outras cidades, devolvendo o apartamento na cidade, dificultando a presença desses membros na oficina. Esse problema será solucionado apenas com a adoção do sistema híbrido na universidade. Somado a isso, as aulas EAD exigem muito mais trabalhos aos alunos comparado ao meio presencial. Somando a questão de que alguns membros estão estagiando, faltam horas para dedicar ao baja. Com isso, até a sequência do projeto está comprometida.
A equipe ainda cita que a situação financeira atual está mais comprometida que a de 2020, que a gaiola atual não pode participar de mais competições e que o carro atual está parado desde que voltou da última competição. O motor funcionou apenas recentemente.

Equipe FEI Baja / SP

A equipe cita que algumas dificuldades já foram comentadas, como a necessidade da informação da validade do chassi, a data de envio do relatório e a necessidade de saber se haverá alguma mudança para a nacional.
Outro ponto abordado é a preocupação com a passagem de conhecimento, tanto teórico como prático. A transferência de conhecimento teórico é dificultada com a distância.
Foi falado também que 2020 já seria um ano de muitas mudanças, mesmo sem a pandemia.
Sobre a competição online foi falado que funcionou para a equipe ficar motivada, mas não é a mesma coisa que uma competição presencial. Portanto pedem para que se for ter competição, que seja presencial a próxima.
Outro ponto crítico citado é a saída do professor orientador, que possuía muita experiência na equipe.
A equipe focou em passagem de conhecimento virtual no período, mas esse ponto foi difícil, pois os membros novos entram na equipe com foco no prático.

Equipe UFVBaja Pererecas / MG

A equipe cita a dificuldade financeira com o fim de patrocínios com empresas locais e a dificuldade na compra de componentes.
A universidade liberou o acesso à oficina de 4 pessoas por vez desde janeiro, mas a equipe possui o mesmo problema com a presença de membros de outras cidades.
Sobre o projeto, a equipe está com a construção em andamento, pois o chassi atual completou 2 anos em 2020.
A equipe possui alguns problemas semelhantes ao que foi dito, como desmotivação, evasão de membros e falta de experiência, com apenas 6 membros que já participaram de competições.
Um questionamento feito é que a equipe já tem pago a inscrição da regional. Esse valor valerá para a próxima regional?
Uma sugestão feita é aumentar o número de feedbacks individuais, como foi na regional online.

Komiketo Baja / MG

A equipe cita problemas similares ao que foi abordado. Não possuem acesso à oficina. Esperam voltar com a adoção do sistema híbrido, previsto para outubro.
Pretendem construir um veículo novo para a próxima competição, mesmo se conseguirem o prolongamento da validade. O projeto virtual se encontra finalizado.
Possuem o problema de desmotivação, pois os membros atuais querem trabalhar no carro.
Possuem o problema da perda de conhecimento pela saída de membros. Muitos deles saíram e não conseguiram passar para os novos membros o conhecimento principalmente na parte prática. Na parte de projetos, a perda de conhecimento não foi tão elevada. Outro ponto crítico citado é a falta de experiência do piloto.
Uma pergunta feita é se será cobrada a vacinação durante a competição.

Mack Gear / SP

A equipe cita dificuldades parecidas com o que foi falado. O chassi venceu antes do Nacional 2020, portanto eles têm a necessidade de fabricar um carro novo. O projeto está finalizado já, mas não conseguirá fabricar esse ano. Portanto, não devem participar da competição Nacional 22. A principal dificuldade para isso é a distância dos membros e a formatura dos membros experientes. Em 2019, se formou grande parte da equipe fazendo a perda de conhecimento ser grande no período.
A equipe cita que a competição online foi positiva para os novatos absorverem conhecimento e desenvolverem a parte teórica.
Sobre o funcionamento à distância, a equipe cita uma perda de interesse e motivação, processos seletivos com poucas pessoas e uma cobrança grande da universidade. Pelos membros antigos estarem estagiando, é difícil que eles conseguem auxiliar. A perspectiva é que a situação melhore com a volta às aulas. A expectativa é criar um processo seletivo nas férias para facilitar a passagem de conhecimento pelos veteranos.

MountainBaja / MG

A equipe cita que possui 20 membros ativos, mas metade tem conhecimento em competição e menos ainda possuem conhecimento prático, por serem de gestão. Há uma dificuldade de passagem de conhecimento. A saída de membros experientes que não conseguiram fazer esse processo de forma online aumentou essa dificuldade.
A equipe possui acesso a oficina desde julho com 4 membros por vez. Com isso já iniciaram a construção do próximo carro. O projeto teórico está praticamente finalizado.
A equipe cita as dificuldades financeiras para a compra de insumos, como equipamentos de segurança e tubos. A arrecadação de receitas antes da pandemia era feita por meio de rifas e venda de produtos em festa, o que praticamente não houve no período.
A construção do chassi foi interrompida pela falta de tubos, que necessitam ser comprados. Há a dificuldade também da fabricação de peças devido ao acesso restrito aos laboratórios da universidade.
Uma pergunta realizada é quando será a inscrição de membros e se haverá mudança do escopo de Relatório de Projeto, devido a inviabilidade de realização de testes esse ano.

PAC Baja / SP

A equipe citou problemas de gestão de conhecimento parecidos com o que foi exposto anteriormente, incluindo desmotivação e evasão de membros. A equipe tentou contornar com tarefas, estudos, inovações e a presença de membros antigos.
Houve o retorno das atividades em fevereiro presencialmente, mas com a segunda onda da pandemia o acesso voltou a ficar restrito a partir de março.
O problema da queda do teto da oficina ocorrido antes da Nacional 20 também complicou um pouco o fluxo de atividades. Durante o curto período de retorno a equipe focou na organização da oficina.
O protótipo está com o projeto finalizado e com os recursos comprados. Mas falta o retorno do acesso à oficina para iniciar a construção. Esse retorno está previsto para novembro. Com isso, há a preocupação do carro não ficar pronto a tempo para a competição.
Caso ocorra a extensão da validade da gaiola, a equipe poderá utilizar o chassi antigo.
A equipe cita a competição como grande fator de motivação para os membros e cita que seria importante a presença de público. Isso pois hoje a equipe possui cerca de 40 membros, e caso alguns membros não possam ir seria um fator imenso de desmotivação.
A equipe sugeriu um debate de porque não voltar primeiramente com a Regional. Tal questionamento foi respondido pelos membros do comitê presentes.

Rampage Baja / MG

Primeiramente a equipe citou a questão das inscrições para a nacional. Não seria justo uma equipe desistir de ir caso necessitasse construir uma gaiola e fosse prolongado a validade posteriormente. Portanto sugere que as inscrições se prolonguem até após a divulgação da revisão do informativo.
A equipe cita também o problema financeiro e a dificuldade vivida durante a pandemia, pois a arrecadação da equipe era a venda de produtos na universidade, e em semáforos, atividades suspensas durante o período.
Houve a saída de muitos membros e a dificuldade de admitir novos, por ser difícil realizar processos seletivos de maneira online. Isso devido a dificuldade de avaliar as pessoas, saber se a pessoa seria boa de serviço.
Não possuem acesso a oficina desde a última competição. Com isso houve a perda de conhecimento prático. Pessoas recrutadas não tiveram a oportunidade de adquirir o conhecimento prático. Houve também a perda de conhecimento teórico, que está ligado ao conhecimento prático.
A equipe não está inscrita na Nacional principalmente devido ao valor e ao prazo de pagamento, a incerteza se poderá competir com o carro anterior e o medo de se gastar um valor elevado com a taxa de inscrição, não conseguir competir, e esse valor fazer falta no fluxo de caixa da equipe.
A compra de componentes pela universidade não foi possível este ano. Portanto saíram do caixa da equipe. Apenas a usinagem que foi patrocinada.
A construção do chassi não tem como ocorrer pela falta de acesso à oficina. A equipe não sabe quando será a volta e há discussões sobre isso. A divulgação de datas pela organização ajudaria a equipe a expor a situação para os órgãos responsáveis.

TEC Ilha Baja SAE / SP

A equipe hoje é majoritariamente composta por membros novos. Há a dificuldade de passar conhecimento.
O acesso da equipe à oficina ocorrerá apenas após a segunda dose da vacinação, o que estava previsto até o final de setembro. A universidade também estava restrita.
A equipe também comentou da necessidade da divulgação do informativo sobre a validade do chassi.
O projeto teórico está em certo ponto adiantado, mas há a incerteza se utilizam o chassi anterior ou se fabricam um novo.
A equipe também realizou a capacitação de membros, promovendo documentações e parcerias com cursos para gerar um conhecimento base para todos, fazendo com que o impacto no início da construção fosse pequeno.

Lucas13ra
Chefe de Pontuação e Comunicação
Mensagens: 328
Registrado em: Seg Jan 22, 2018 10:02 pm
Escola:
Equipe:

Re: Briefing Baja SAE BRASIL 2021

Mensagem por Lucas13ra » Sex Out 15, 2021 11:17 pm

Participações do dia 10/09/2021

Baja Espinhaço / MG

Sobre a gestão de conhecimento, a equipe cita a saída de membros antigos já antes da pandemia e a perda de contato com esses membros no decorrer da pandemia. Citam também que a equipe não possuía gestão de conhecimento, fazendo com que alguns setores tivessem que recomeçar do zero. A equipe também cita a dificuldade em recrutar membros.
Sobre o acesso à oficina a equipe cita não ter acesso e isso dificulta gerar conteúdo para atrair candidatos para os processos seletivos. Na semana posterior a universidade começaria a voltar às aulas práticas presenciais apenas nos cursos de saúde.
Outro ponto crítico é o capitão participando do primeiro ciclo de projeto.
Durante a pandemia houve o desinteresse de membros antigos que focaram em formar e saíram.
A equipe cita que não participará da competição Nacional. Planeja começar a construção em março e estruturar a parte de conhecimento a partir de agora.
Além disso a equipe cita um déficit financeiro. Estava devendo membros antigos por peças quebradas antes da pandemia mas conseguiu acertar essas contas.

Baja Guaicurus / MS

Complementando o que foi dito, a equipe cita o desinteresse grande dos membros. Aos poucos foram retornando às atividades o que deixou os membros antenados quento ao projeto.
A equipe cita que não possui acesso à oficina. Com isso, o projeto teórico foi finalizado mas nada físico foi realizado. A equipe até tem acesso restrito à faculdade, mas os recursos escassos impedem o início da construção. Ela aguarda as coisas voltarem ao normal para tentar patrocínios e recursos para começar a construção.
Durante a pandemia realizou cursos online de modelagem.
Irá tentar dar início aos processos no ano que vem. Até possui patrocinadores de longa data, mas precisa de mais para seguir o projeto.
A equipe cita que só se inscreverá na competição se tiver o carro pronto e testado.
Sobre os membros, a equipe cita que os membros mais antigos se formaram e possui calouros que nunca foram em competições. Estes possuem difícil engajamento.
Após o período de pandemia a equipe cita que está mais estruturada quanto a passagem de conhecimento.
Questionada sobre as dificuldades de equipes do Centro Oeste brasileiro, a equipe cita os materiais comprados em São Paulo, pelos preços da região serem elevados, a dificuldade de produção de peças fora da faculdade e dificuldade de divulgação pelo pouco conhecimento de pessoas da região sobre o projeto.

BAJA UEA / AM

A equipe cita que leva o carro de avião para o local da competição, o que gera um custo elevado para a equipe e necessidade de planejamento prévio, devido ao prazo necessário de 3 meses para o envio do carro. Portanto a equipe cobra uma data correta para a competição.
A equipe menciona também a grande evasão de membros e alguns erros relacionados ao Home Office, como a pausa do processo seletivo iniciado antes da competição, a falta de encantamento dos membros novos pelo projeto e a perda de membros novos.
O projeto novo está pronto. Será o de 2020 com alguns ajustes, mas falta manufaturar os ajustes. Há muita dificuldade na compra de itens, pelo frete caro e o tempo longo de entrega.
Há também uma dificuldade na gestão de conhecimento, mas alguns materiais auxiliaram a equipe.
Mesmo estando no polo industrial de Manaus, pouca gente conhece o projeto, dificultando o patrocínio. Além disso, esse desconhecimento gera dificuldades com o processo seletivo.
Em setembro do ano passado a equipe conseguiu o acesso à oficina e possui a construção adiantada, mas faltam recursos para continuar.
Questionada sobre as dificuldades das equipes do Norte do Brasil, a equipe citou as mesmas dificuldades das equipes do Centro Oeste. Cita também que haviam outras equipes em Manaus que se reuniam recorrentemente para a troca de conhecimento, mas com a pandemia interromperam as atividades.

Bajampa / PB

A equipe cita que os membros atuais não participaram de nenhuma competição.
Por ser uma escola técnica, tem muito maquinário, mas algumas restrições de acesso por lidar com alguns menores de idade.
Atualmente não possuem acesso à oficina. Havia um processo sobre isso tramitando mas sem previsão de resposta. Com isso não tem acesso nem ao carro nem aos computadores. Com isso tem medo de perderem as informações presentes nessas máquinas. E sem o acesso não conseguem fazer as manutenções necessárias.
Outra dificuldade está relacionada à continuidade dos membros no projeto, apesar de ainda ter alguns membros mais antigos. Como o baja possui um vínculo afetivo dos membros, tem facilidade de consultar ex-membros, mas a saída deles é prejudicial.
Apesar de conseguir tirar as dúvidas de maneira online, pessoalmente é muito mais fácil.
Outro ponto crítico é que muitos membros de fora da cidade participam do projeto. Com o Home office, eles estão mais distantes.
Houve a perda da validade de alguns itens de segurança.
Fazendo uma pequena linha do tempo, a equipe cita que em 2018 voltou aos trabalhos, com alguns integrantes conseguindo reviver a equipe. Em 2018 teve muitas dificuldades. Em 2019 houve uma grnade melhora e em 2020 haviam muitas perspectivas boas com bons projetos. Com a pandemia, esses projetos foram direcionados para a validação via softwares. Hoje a equipe tem interesse de participar da Nacional e construir um novo carro e continuar os projetos, mas necessita fazer um levantamento de tudo o que foi perdido e o que conseguem aproveitar.
A equipe optou por realizar o processo seletivo apenas agora para atrair mais pessoas. Realizou cursos de capacitação no período também.
A equipe cobra a análise da validade dos componentes de segurança e a divulgação de uma data segura para a realizaçõa da competição.
Questionado sobre a participação majoritária em regionais a equipe cita que deseja ir com mais segurança para ter um desempenho melhor quando for em uma Nacional.

Cuzcuz Baja / PE

Ausente

Equipe Parahybaja / PB

A equipe cita a evasão de membros com experiência. Hoje apenas 2 membros já foram em competições.
Os dois processos seletivos realizados tiveram bons resultados pelo projeto ser bem visto na universidade.
A equipe tem acesso à oficina mas esbarra na dificuldade de que muitos membros não moram na cidade.
Com a saída do orientador, a comunicação com a universidade ficou falha. Com isso essa se tornou uma grande dificuldade da equipe.
Para a regional de 2019, a inscrição foi paga pelos membros. Não há como fazer isso novamente para a nacional de 2022. Patrocínios com lojas locais foram interrompidos e os eventos, fonte de renda da equipe, também.
A equipe possui acesso à oficina desde março de 2021, mas o acesso é dificultado pelos membros que moram fora da cidade. Com isso, apenas os subsistemas de Powertrain e Eletrônica estão funcionando. O engajamento dos novos membros foi positivo apesar da pandemia. Conhecimento teórico foi passado mas ainda há dificuldades de transmitir o conhecimento prático. Além de fazer as manutenções no carro, tem que ensinar os membros novos a mexer nas ferramentas e no próprio carro.
O carro está pronto. Foi construído para a nacional de 2020. Uma capotagem no Super Prime ainda faz com que uma análise profunda dos reparos necessários tem que ser feita. A equipe planeja novas validações também para evoluir no projeto.

Equipe Poli de Baja / SP

A equipe diz que o cenário geral é parecido, mas que a situação está um pouco melhor. Eles lidaram bem com a parte de membros, mantendo membros com experiência de competição. Mas as pessoas que entraram já na pandemia tiveram dificuldade com a gestão de conhecimento. Utilizaram o ano de 2020 para desenvolver o projeto. Já em 2021 começaram a fabricação, que está adiantada.
Sobre o acesso à oficina, a equipe tem acesso à oficina apenas com restrição de horários e pessoas, mas não tem acesso às máquinas maiores, como de usinagem. Por isso alguns deadlines não foram cumpridos. Além disso, as peças fabricadas fora afetam o financeiro da equipe.
O gerenciamento da equipe está preparado, mas a equipe possui uma preocupação com o conhecimento técnico das próximas gerações. A construção foi feita por membros antigos. Os membros novos só exercem atividades simples.
Houve uma dúvida também sobre as datas do relatório.

Equipe Saci / MG

A equipe disse que sofreu com a evasão de membros com experiência.
A equipe já possui acesso à oficina há um tempo, desde o final de 2020, mas com restrições, o que dificulta as atividades.
A equipe citou que possui o chassi antigo pronto para a competição. Mas uma limitação são os membros de outras cidades. As melhorias e reprojetos são realizados apenas por quem mora na cidade da equipe, que são os membros antigos.
Investiram em gestão de conhecimento, o que foi até importante para os veteranos reverem os conceitos básicos. Identificaram que a equipe deu uma retrocedida, desde conceitos básicos até em regulagens simples. Com isso preveem dificuldades na manufatura dos próximos carros. O carro atual foi um grande salto, mas a equipe tem medo de retroceder no futuro.
A equipe cita que o processo seletivo tiveram bons resultados. Isso devido a ajuda de outros projetos e de professores para a divulgação.

Forja Baja / RJ

A equipe cita que seus problemas são iguais, mas um pouco diferentes. Sobre a gestão de pessoas se saiu bem, muito devido ao auxílio do Baja Rio. As tarefas recorrentes tiveram um saldo muito positivo.
Alguns membros de 2019 se mantêm na equipe e se mantêm motivados. Houve o receio de processos seletivos online serem prejudiciais, devido o baja ser trabalhado com a proximidade entre as pessoas.
A equipe citou que acompanhou os trainees de perto, fazendo com que eles ficassem ansiosos pela volta das atividades. O problema é o acesso à oficina.
O carro da Nacional 2020 chegou da competição e ficou parado na oficina por meses, pois não havia acesso à oficina, apenas em situações extraordinárias. Atualmente os protocolos estão sendo revistos e há a esperança da volta das atividades ainda esse ano.
A equipe sofre com o problema financeiro por falta de apoio da faculdade e patrocínios. A arrecadação de dinheiro em semáforos e eventos não são possíveis na pandemia.
Hoje a equipe permanece sem acesso à oficina e a terceirização de serviços impacta ainda mais o caixa da equipe.
A equipe cobra a divulgação da data da competição. Ela tem o receio de que um novo adiamento impacte ainda mais a construção dos próximos carros.
Outras grandes dificuldades são o encarecimento de insumos e a manutenção de maquinário da faculdade, que é financiada pela própria equipe.

Mandacaru Baja / BA

A equipe disse que compartilha do mesmo problema que as outras. Muita gente se formou nesse período, causando um desequilíbrio entre entrada e saída de membros. Houve muitas pessoas saindo da universidade também por questões financeiras.
Pela equipe estar na capital e muitos alunos morarem no interior há o problema de falta de mão de obra, inclusive devido a membros antigos morarem no interior. Além disso,horários restritos impedem pessoas que trabalham a irem à oficina.
O acesso à oficina foi obtido recentemente, 4 meses atrás, em dois períodos até às 17h, também com restrição de pessoas.
Sobre o impacto financeiro, a equipe teve que parar as vendas de produtos que realizavam, o que causou um impacto financeiro.
Outra forma de arrecadação da equipe era por meio de taxas cobradas dos concorrentes do processo seletivo. Como houve uma diminuição da busca pelo processo, a equipe retirou essa taxa.
Atualmente a equipe está com o projeto adiantado e a manufatura atrasada. Um grande problema é que a pessoa com experiência em solda só está disponível em horários que não há acesso à oficina. A equipe já possui um chassi mas pretende fazer um novo, apesar do atraso.
Questionada sobre a participação majoritariamente em regionais, a equipe cita que o principal motivo é a regional ser disputada na própria cidade, o que gera muita economia. Sobre a experiência da equipe em Nacionais, ela cita que foi em 2019 com poucas pessoas, mesclando membros novos e antigos. Pela questão financeira, seria inviável duas competições por ano.
A equipe ainda cita que ela vinha em uma crescente grande, conquistando os primeiros troféus na última regional. A equipe teme que a pandemia atrapalhe esse crescimento.

Mangue Baja / PE

A equipe cita que a situação atual é boa
Ela teve uma evasão de membros experientes como todas as outras equipes e manteve parte do pessoal que fez o processo seletivo. Essas pessoas tem pouca experiência e muito engajamento. Durante o home office houve um foco grande em projeto fazendo com que a equipe aumentasse muito a experiência na área. Mas falta experiência em competições.
Durante a pandemia teve acesso intermitente ao galpão. Com isso já realizou alguns testes e fabricações. Com isso, o pessoal de fabricação teve alguma experiência.
A equipe acha a data de abril como uma excelente data para a realização da competição. Como ainda tem contatos com alguns membros antigos, essa data de abril ainda permitiria algum apoio deles em caso de classificação para o mundial.
Ainda sobre o mundial, a equipe perguntou se as equipes classificarão para o mundial do próximo ano, tendo uma resposta positiva.
Houve um avanço no projeto do 4x4, mas quem trabalhou nele saiu da equipe. Por isso nada do 4x4 foi fabricado. Como a ida ao mundial é distante da Nacional, daria tempo de fabricar.
A equipe pede um aumento do número de inscritos, ou pelo menos permitir o acesso de membros não inscritos ao local da competição.
A questão financeira impediu a equipe de ir com 2 carros esse ano. Disputarão a Nacional com apenas um carro.
Ainda sobre o 4x4, a equipe sugere que haja um diálogo com as equipes antes.

Mud Runner Baja / RJ

No início da pandemia a equipe possuía acesso restrito à oficina, mas a partir de maio de 2021 houve a proibição de qualquer atividade, e a equipe não conseguia trabalhar pelas limitações expostas. Somente membros que moram próximo à universidade foram orientados a irem à oficina.
Das atividades no carro, a equipe apenas retirou o carro do caminhão pós Nacional 2020 e fizeram pequenas verificações.
Sobre a gestão de conhecimento agora que está conseguindo se adaptar melhor. No início houve uma perda grande de membros focados em formar. Mas no último processo seletivo conseguiu bastante membros. O ponto crítico é que hoje poucos membros tem experiência em competição e nem viram o carro ainda.
O planejamento é construir um carro novo, apesar de 70% da equipe ser inexperiente em fabricação. O conhecimento no projeto até aumentou.
Sobre a questão financeira, a equipe arrecadava dinheiro por meio de vendas na faculdade e rifas, sendo que isso online é muito difícil. Afetou o caixa da equipe, mas o dinheiro que havia salvou as inscrições das competições. Há também a dificuldade na compra de materiais pelo preço elevado.
Uma ação que deu certo foi a busca de apoio financeiro de ex-membros. E o contato com ex-membros auxiliou na gestão de conhecimento.
Hoje a equipe possui 41 membros e planeja conversar com o diretor geral para voltar a ter atividades presenciais para o início da fabricação. O projeto está pronto.
Como sugestão a equipe pede a organização que aumente o número de inscritos e sugere as equipes que tem problemas com valor de frete de entrar em contato com equipes de SP e pegar os materiais presencialmente durante a competição. A equipe já fez isso e deu certo. A equipe também sugere a divulgação do valor das competições com antecedência.

Tchê Baja / RS

A equipe cita que possui um carro pronto em período de testes. Ela tem acesso à oficina há um bom tempo.
Sobre a composição da equipe, há poucos membros antigos e grande maioria nunca foram à competição.
O único apoio que possui da faculdade é o valor da inscrição. Um grande problema é a falta de visibilidade dentro da universidade. Com isso, há uma dificuldade para mostrar o projeto para membros novos e atraí-los, além de atrapalhar a busca de patrocínios. Com a pandemia houve a redução de patrocínios.
Há muitos membros de outras cidades e membros ociosos que nunca viram o carro.
Houve 3 processos seletivos durante a pandemia, mas houve dificuldade no engajamento. A equipe citou que a competição é importante para ter incentivo e manter o conhecimento. O gap entre competições já teve um efeito negativo, como a pouca assistência de membros antigos. A equipe pede também para não haver limitação de cursos inscritos.
Sobre a participação na Nacional, apenas um membro já participou, mas que consegue passar pelo menos um pouco de conhecimento. Ter um carro pronto ajuda com isso.
A equipe ainda fez um paralelo com a equipe de fórmula da universidade, que teve uma grande desmotivação pelo excesso de competições virtuais.

UFPBaja / PB

Muitos tópicos já foram expostos. Sofreu uma grande evasão de membros após a última competição Nacional, apesar de que já estava focando no repasse de conhecimento. Isso teve bons impactos no home office, com a equipe colocando em prática estudos que sempre quis fazer e não havia tempo.
Houve 3 processos seletivos durante a pandemia que tiveram resultados melhores que na época presencial, com menos pessoas mas mais dedicadas e aproveitando o tempo para adquirir conhecimento.
A equipe possui dúvidas sobre a extensão da validade do chassi, que impactaria a possibilidade da fabricação de um novo carro. O carro atual possui problemas estruturais e necessita modificações. Após um longo período longe da oficina, esses problemas foram atacados na volta, mas não com bons resultados.
Hoje a equipe está reduzida devido a membros de outros estados. A parte burocrática, como servidores e técnicos com horários de trabalho reduzidos causou atraso nas atividades.
A equipe conseguiu novos patrocinadores durante a pandemia com um suporte para a fabricação de peças. Mas houve a perda de patrocinadores financeiros. A equipe perguntou sobre mudanças na competição.

USJT Baja / SP

A equipe sugere postergar o prazo de inscrição para facilitar a inscrição para as equipes.
Ela cita que é uma das equipes mais privilegiadas em questão de espaço, tendo acesso à oficina desde fevereiro.
Muitos integrantes trabalham, só podendo ir à oficina à noite ou aos sábados. Com isso, há dificuldades dos novos membros se desenvolverem. Com isso a equipe tem acesso ao espaço, mas sem mão de obra especializada.
O projeto está finalizado, mas a equipe espera a divulgação da emenda do RATBSB para iniciar a construção.
No início da pandemia a equipe possuia 43 pessoas. Hoje são 20, mas 4 com experiência em competição. A maioria estava em EAD e agora que estão começando a pegar atividades de oficina.
O orçamento da equipe depende da universidade, e com a pandemia reduziu muito. Já com os patrocinadores de serviço não tiveram tanto impacto.

Zebu Baja / MG

Muito da situação da equipe já foi falado. Possui um número bom de membros e alguns membros antigos que permanecem, mas não sabem se ficarão até a competição. Houve uma evasão grande de membros e dois processos seletivos durante o período. Houve evasão de membros que entraram nos últimos processos seletivos também.
A equipe focou em sua reestruturação durante o home office.
Hoje a equipe possui acesso limitado à oficina. A equipe possui o carro de 2020, mas sem ser realizado a validação. Após a volta a equipe focou nessa validação.
Alguns dos principais desafios da equipe é manter os membros. A parte financeira também sofreu, pois dependia de vendas de produtos e participações em festas. Nunca teve apoio da universidade, mas conseguiu algumas vitórias, como o aparelho de solda.
A próxima competição será muito importante para a equipe.
A equipe sugere que os pilotos e capitão não sejam inscritos também como membros, para aumentar o número de participantes.

Responder